Mode Scanlator Logo

Capítulo 475

O Começo Depois do Fim

04/14/2024

O Começo Depois do Fim

Capítulo 475: Chamando Destinos


Meus anos infantis passaram desapercebidos, minha vida acontecendo em uma espécie de piloto automático enquanto minha mente se concentrava no problema da pedra-chave e dos meus companheiros desaparecidos.

Nesta realidade alternativa apresentada pela pedra-chave, até mesmo pequenas mudanças pareciam desencadear uma vida inteiramente nova que eu tinha que viver. Mas à medida que a vida simulada se distanciava da realidade—ou talvez, à medida que a pessoa que eu me tornei dentro da pedra-chave se afastava do que eu realmente era ou tinha sido—a parte da minha mente que estava consciente dos eventos fora da pedra-chave parecia adormecer, fazendo-me esquecer meu propósito e até mesmo o fato de que estava vivendo uma existência falsa e simulada.

As memórias do meu tempo crescendo em Taegrin Caelum ressurgiram. Era difícil entender tudo; eu me lembrava claramente, mas a pessoa que eu havia me tornado sob aquelas circunstâncias parecia tão distante do que eu realmente era que era como se eu tivesse tido o sonho de outra pessoa. Mas de onde, eu me perguntava, tinha vindo esse cenário? O reino da pedra-chave está apenas inventando respostas para minhas ações, ou o Destino está de alguma forma envolvido? Será que a pedra-chave sabe o que realmente teria acontecido—ou o que acontecerá no futuro? Considerei o éter e o Destino, e sabia que não podia descartar completamente esse fato.

A Anciã Rinia podia buscar através de linhas do tempo possíveis e eventos potenciais usando sua magia. Certamente os djinn também poderiam fazer o mesmo, com seu controle aprimorado do éter, incluindo o ramo de aevum. Ainda assim, em comparação com o mecanismo por trás de cada uma das pedras-chaves anteriores, esses mundos em desenvolvimento e linhas do tempo pareciam incrivelmente complexos. Será que obter vislumbres do Destino requer ver como todas essas realidades se desenrolam em resposta a cada pequena mudança?

Senti meu estômago afundar ao me perguntar quantas vezes eu teria que reviver minha vida em diferentes permutações para obter essa compreensão, e esse pensamento angustiante me levou a mais uma consideração inquietante: há quanto tempo eu já estou aqui?

Se o mundo da pedra-chave se movia na mesma escala de tempo em que eu o vivia, então eu já estava dentro há décadas. Eu tinha que assumir que o tempo gasto na pedra-chave não era um para um com o mundo exterior. O tempo não parecia passar a um ritmo constante na pedra-chave, voava a uma velocidade incrível quando eu não me concentrava no mundo que ela estava apresentando. Se nada mais, isso sugeria que o tempo era altamente subjetivo, talvez até uma ilusão inteiramente.

E se for isso? Eu fui lançado em uma cena de minha infância folheando a Enciclopédia de Manipulação de Mana. Olhando em volta confuso—parecia que eu tinha nascido apenas minutos atrás—tentei me desligar da vida e permitir que ela simplesmente se desenrolasse diante dos meus olhos.

Minha excitação parecia me prender ao momento. Apertei os olhos, concentrando-me em me desconectar de mim mesmo. Algo parecia puxar de mim do meu esterno, como se eu tivesse um anzol de pesca cravado no peito e alguém estivesse puxando. Meus olhos se abriram rapidamente, e eu olhei em volta, perguntando-me qual poderia ter sido a sensação, mas não vi nem senti nada óbvio.

Percebendo que estava me deixando ficar ansioso e empolgado demais, forcei meu pequeno corpo a respirar profundamente várias vezes. Minha mãe entrou na sala, falando sobre como eu sempre ficava olhando para aqueles livros e como era fofo, e o tempo começou a escorrer de mim.

Em momentos, eu estava despertando, e então já estávamos subindo o caminho da montanha que nos levaria à emboscada. Se desenrolou como aconteceu na vida, e de repente eu estava com Sylvia. Embora tivesse ideias sobre como meu tempo com ela poderia ter sido diferente, evitei mudar qualquer coisa, até o menor detalhe, para testar minha teoria atual.

Meu tempo com ela se esgotou, e então minha vida como menino em Elenoir estava passando rapidamente. Antes que eu percebesse, estava vendo minha família novamente, e então Jasmine e eu estávamos aventurando juntos na Clareira das Bestas. Meu tempo em Xyrus começou, levando à Cripta da Viúva, ao ataque à Academia de Xyrus e ao meu treinamento em Elenoir. A guerra em si já havia terminado, culminando com minha batalha contra Nico.

Foi quando meu corpo começou a falhar devido ao uso excessivo da vontade da besta de Sylvia e o iminente sacrifício de Sylvie se aproximou que tive outra realização.

Focando no momento, tentei voltar ao meu corpo e assumir o controle da situação, sabendo o que queria mudar.

Só que eu não conseguia.

O tempo estava passando ainda mais rapidamente agora, com a morte de Sylvie, minha primeira ascensão não intencional às Relictombs e então meu tempo em Alacrya passando rapidamente. De repente, estava me despedindo de Ellie, tendo mentido para ela sobre onde estaria enquanto acessava a quarta pedra-chave, e Sylvie, Regis e eu estávamos ativando e entrando na pedra-chave novamente.

Esperei na escuridão, sem fôlego e confuso sobre o que acabara de acontecer. Novamente, a luz ao longe. Novamente, as palavras: “Parabéns, senhor e senhora, ele é um menino saudável.”

Minha mente ficou em branco por um bom tempo. O tempo não escapou de mim e reiniciou o ciclo novamente, mas pude sentir o choque tomando controle das minhas faculdades, e em vez de lutar contra isso, simplesmente deixei acontecer.

Eu tinha pensado, talvez, que a lição deste lugar fosse algo banal, como que minha vida tinha se desenrolado exatamente como deveria ou que eu não podia mudar o passado. Certamente, não esperava perder o controle e ser arrastado enquanto minha vida se repetia exatamente como antes, incapaz de impor minha vontade sobre ela de forma alguma.

Era como estar preso em um rio corrente, pensei maravilhado depois que o choque começou a se dissipar. Mas qual é o ponto disso? Como isso leva à compreensão do Destino?

Lutei para entender como este novo ponto de dados se encaixava com minhas teorias anteriores. Obviamente, ele despedaçava a ideia de simplesmente não mudar nada. Na verdade, esse efeito de vórtice sugeria o oposto: que eu tinha que explorar as muitas oportunidades desta vida—ou vidas—para ganhar vislumbres sobre o aspecto do Destino.

Refleti sobre essa ideia por um bom tempo, mas não obtive nenhuma nova compreensão. Finalmente, desisti dela, novamente considerando um momento da vida apressada anterior. Quando me aproximava do sacrifício de Sylvie, um pensamento selvagem me ocorreu. Como posso existir nesta vida se Sylvie não se sacrifica por mim, dividindo sua essência para ser atraída através do cosmos, onde então assiste minha vida como Grey se desenrolar? Porque, se ela não fizer isso, como ela pode então me afastar do esforço de Agrona para me reencarnar e, em vez disso, me colocar dentro deste corpo?

Olhei ao redor, procurando pela aparição fantasmagórica de Sylvie que eu sabia que deveria estar me observando. Depois que Sylvie experimentou minha vida como Grey, ela seguiu meu espírito pelo cosmos enquanto era arrastado para este mundo por Agrona. No último momento, ela me afastou e me trouxe para os Leywins. E é onde essa simulação da minha vida começou.

Era um paradoxo. Embora as vidas da pedra-chave sempre começassem com meu nascimento, na realidade, minha própria vida começou muito antes disso, com meu nascimento como Grey na Terra. Eu me apegava firmemente a esse fato. A presença de um paradoxo potencial era um ponto de dados, uma falha no sistema, que eu poderia identificar e potencialmente extrapolar informações.

“Suponho que, neste lugar, minha presença em seu nascimento—e também tudo o que fiz antes do seu nascimento—seja como um ponto fixo”, disse uma voz distorcida. Virei minha cabeça desproporcional no pescoço que ainda não a suportava, olhando para o lado de um colchão cheio de palha para ver a mesma versão mais jovem e ligeiramente transparente de Sylvie que eu tinha encontrado antes. ‘Você não pode mudar algo que já estava definido antes da sua chegada.’

Eu estava procurando por você, disse, encontrando seus olhos dourados transparentes.

‘Eu sei,’ ela respondeu.

Eu tenho uma ideia, pensei, instintivamente enfiando um punho rechonchudo na boca. Você me ajudaria com algo?

‘No contexto desta vida conforme está se desenrolando atualmente, acabei de assistir Grey crescer da infância desesperada ao reinado desolado. Em seguida, atravessei uma extensão insondável no tempo e entre mundos para impedir Agrona de reivindicá-lo’, ela pensou de volta de forma factual. ‘Já sacrifiquei tudo por você, Arthur, e farei isso de novo. E de novo. Quantas vezes forem necessárias. Então sim. Claro que vou ajudar. Só me diga do que precisa.’

Reuni silenciosamente meus pensamentos antes de projetá-los para ela. Você é uma parte de Sylvie. Antes, você se denominou uma projeção de Sylvie, como eu entendia que ela existia neste momento, certo?

‘Isso mesmo,’ ela confirmou, me observando curiosamente.

Mas há outra parte de Sylvie aqui também, continuei. Sua verdadeira mente consciente do mundo exterior. Exceto que ela está... adormecida, ela e Regis.

‘Isso é verdade.’

Minha face infantil se contorceu de concentração. Sua mente ainda não acordou. Acho que, talvez, seja porque ainda não teve um tempo e lugar para fazer isso dentro da pedra-chave. Mesmo nas vidas em que me conectei com ela, aquela versão de Sylvie mantém sua própria personalidade intacta, consistente com quem Sylvie era naquela época, sem as memórias de nossa vida fora deste lugar. Isso não deixa espaço para minha Sylvie, a verdadeira Sylvie, acordar.

O rosto fantasmagórico me observou expectante.

Mas você já é apenas uma parte dela. E em alguns anos, você será atraída de volta para o seu próprio óvulo e renascerá como aquela versão de Sylvie.

‘Isso também é verdade.’

Se você... de alguma forma, se ligasse à mente de Sylvie—a verdadeira Sylvie—então talvez ela pudesse acordar e agir através de você, e então nascer de volta para si mesma.

Houve uma longa pausa, e tive que me concentrar muito para manter minha mente e corpo de bebê acordados e focados no momento.

‘Como?’ ela perguntou eventualmente.

Eu realmente não sabia como, mas estava convencido de que acordar Sylvie e Regis era essencial para progredir dentro da pedra-chave. Eles representavam diferentes aspectos do éter que, junto comigo, forjavam uma compreensão mais completa de spacium, vivum e aevum como um todo. Era minha esperança que, como consciências externas, eles não sofressem os mesmos efeitos de desvio da minha vida regular e de alguma forma me conectassem a mim mesmo.

É tudo suposição neste ponto, mas consigo sentir a mente de Sylvie dentro de mim. Você... poderia entrar no meu corpo? Talvez eu possa agir como uma espécie de ponte entre você.

A imagem fantasmagórica assentiu em entendimento, então flutuou para frente, passando pela cama e para dentro da minha carne. Um arrepio percorreu meu corpo minúsculo, e pude sentir uma nova e reconfortante presença flutuando logo abaixo da superfície.

Mexendo meu corpo infantil, fiquei mais confortável no colchão de palha e fechei os olhos.

Sua mente está dentro de mim em algum lugar. Só precisamos encontrá-la.

Concentrei-me na presença calorosa do fantasma, tentando segui-la dentro de mim enquanto ela procurava pela verdadeira ela. Uma prática interna e meditativa assim teria sido fácil nos meus anos como mago quadraelemental ou mais tarde, quando tinha um núcleo de éter. Eu tinha praticado procurar dentro de mim com mana e éter por mais horas do que eu poderia contar.

Mas agora, no corpo de um bebê pequeno sem meu próprio núcleo de mana, percebi que faltavam as ferramentas nas quais normalmente confiaria.

Você sente alguma sensação dela? Uma ressonância, ou um puxão, ou algo assim?

‘Não, mas não desanime,’ ela me assegurou.

À medida que meu foco se concentrava em encontrar Sylvie e estabelecer uma conexão entre as duas versões parciais dela—uma real, a outra manifestada pela pedra-chave—perdi o sentido do mundo exterior. Mesmo quando meu corpo de bebê dormia, minha mente adulta permanecia concentrada na conexão entre a aparição de Sylvie e sua mente adormecida. O tempo passava de forma discordante, com o mundo exterior parecendo passar rapidamente enquanto apenas minutos ou horas passavam de acordo com minha consciência.

E ainda assim, eu não sentia nada concreto dentro de mim além da mana se concentrando lentamente dentro do meu esterno, onde meu núcleo eventualmente se formaria.

‘Isto não está funcionando,’ pensou Sylvie-fantasma, sua voz cortando através da neblina da minha hiperconcentração. ‘Precisamos fazer mais, mas o quê? Eu não tenho conhecimento desse processo.’

Respirei fundo várias vezes, lutando para pensar através da tensão crescente. Em alguns anos, seu espírito naturalmente se reunirá ao seu corpo ainda não nascido, mantido em estase pela magia de sua mãe. E então mais tarde, você renascerá através de um processo natural que eu não entendo completamente, uma combinação de uma reação mágica ao seu sacrifício e uma tremenda quantidade de éter canalizada para aquele segundo óvulo.

‘Ambos os renascimentos então requeriam um óvulo...’ ela refletiu, sua voz projetada mentalmente tranquila em minha cabeça, quase enterrada sob os batimentos do meu pulso. ‘Mas ambos também foram influenciados pela magia externa ligada ao sacrifício do meu corpo para reconstruir o seu. Precisamos de um catalisador para despertar a verdadeira eu e me unir a esta simulação de mim mesma.’

Mas que tipo de catalisador seria suficiente?

A simulação fantasmagórica do nosso vínculo não respondeu. Ela havia desaparecido.

Deixei o tempo passar, pensando nos meus próximos passos, até chegar à encosta e mais uma vez vê-la. Mas a batalha explodiu, e segui junto com a sequência de eventos necessários que me levariam a Sylvia. Procurei por um tempo ou maneira de me comunicar com o espectro observador, mas nenhuma oportunidade desse tipo se apresentou, e então, mais uma vez, eu estava caindo da encosta.

Quando cheguei ao fundo da longa queda e voltei a mim, deitado ao lado do cadáver quebrado do bandido que arrastei comigo, Sylvia já tinha ido embora.

Considerei simplesmente permitir que a simulação avançasse até o seu início novamente para continuar minha tentativa de acordar Sylvia, mas a ideia de desperdiçar uma vida inteira simplesmente assistindo-a passar me incomodava. Era óbvio agora que meu objetivo de acordar a verdadeira Sylvia na manifestação fantasmagórica de seu espírito seria uma obra de mais de uma vida, mas ainda havia muito que eu não entendia sobre o julgamento da pedra-chave, e eu não queria desperdiçar uma oportunidade de aprender mais, também.

Continuei até que Sylvie renascesse, mas ela não nasceu com nenhuma lembrança, nem de sua vida fora da pedra-chave, nem de nossas conversas antes de seu nascimento. Ela era uma asura infantil, crescendo rapidamente tanto em intelecto quanto em poder, mas ela era Sylvie como ela era naquela época, não minha companheira enquanto agora dormia.

Meu tempo em Elenoir e depois como aventureiro e estudante se desenrolou sem mudanças significativas, mas permaneci atento a cada decisão que passava para evitar o efeito de vórtice que me puxava diretamente para o final novamente. Foi difícil, enquanto vivia os mesmos eventos mais uma vez, evitar questionar as muitas decisões da minha vida. Onde eu poderia ter escolhido diferente? Que outro poder eu poderia ter adquirido ou que pedaço de conhecimento poderia ter obtido se apenas tivesse seguido um caminho ligeiramente diferente?

Anos se passaram antes que o momento que eu estava esperando chegasse, e afundei em mim mesmo, me tornando totalmente presente nos eventos que se desenrolavam.

Virion estava acenando para mim enquanto cavava no bolso interno de sua túnica. “Há uma última coisa que você precisa pensar.”

Eu já sabia o que ele ia tirar quando abriu a mão na minha frente para revelar uma moeda preta do tamanho de sua palma. A moeda cintilava com o mais leve movimento, chamando minha atenção para as complexas gravuras entalhadas por toda parte.

“Este é um dos artefatos que me foram transmitidos. Eu dei ambos ao meu filho quando renunciei ao trono, mas depois da morte de Alea, ele me devolveu este, dizendo que eu deveria escolher a próxima Lança.”

Fiquei ali em silêncio por um momento, considerando cuidadosamente a moeda oval que parecia pulsar na mão de Virion. “Este é o artefato que Alea tinha.”

“Sim. Unindo-o com o seu sangue e o meu, ele será ativado, dando-lhe o impulso que permitiu a todas as outras Lanças avançarem para o estágio branco. Eu sei que você não é um elfo, mas seria uma honra para mim se você servisse como Lança sob meu comando.”

“Lutarei por você mesmo sem esse vínculo, mas não posso aceitar isso. Posso me arrepender disso, mas não parece certo para mim trapacear meu caminho até o estágio branco. Chegarei lá por mérito próprio.”

Essas palavras ecoaram de volta para mim do que parecia uma vida inteira atrás. Era verdade, eu havia alcançado o estágio central branco por mérito próprio, mas demorou tanto tempo... e quando finalmente enfrentei Cadell no castelo voador, ainda não foi o suficiente.

E logo depois, perdi tudo pelo que havia trabalhado tão duro quando meu núcleo foi quebrado.

“Seria uma honra para mim servir como sua Lança”, disse afinal, curvando-me diante de Virion.

As cerimônias das Lanças—a união de sangue e serviço—sempre ocorreram em segredo, e assim foi para mim. Apenas Virion, seu filho Alduin, Lança Aya Grephin, Lorde Aldir e Sylvie estavam presentes, todos reunidos em uma câmara simples dentro do castelo voador.

Ajoelhei-me no centro da câmara, Sylvie sentada ao meu lado em sua pequena forma felina, seu flanco pressionado contra minha perna. Virion ficou em frente a mim, enquanto os outros estavam meio na sombra nos cercando. Ele estendeu a moeda oval preta. Sua superfície entalhada refletia a luz fraca como estrelas no oceano à noite. Depois de alguns segundos, ele soltou a moeda. Em vez de cair no chão, ela permaneceu onde estava, pairando no ar entre nós na altura dos meus olhos.

“Arthur Leywin, filho de Reynolds e Alice Leywin, mago quadraelemental de núcleo prata. Protetor inesperado e neto não procurado, criado entre humanos e elfos em Sapin e Elenoir, um filho de dois mundos. O título de Lança não deve ser limitado pelo nascimento ou status, ou mesmo raça, e só pode ser conquistado através do trabalho árduo, talento e força. Nisso, você pode se mostrar incomparável.”

Virion fez uma breve pausa, deixando que suas palavras fossem absorvidas. “Arthur, você jura servir e proteger a mim como comandante das forças militares da Tri-União, à família Eralith e, por extensão, a todas as pessoas de Elenoir, elfas ou não, e nunca usar esse poder contra mim, minha família ou minha nação?”

“Eu juro,” respondi firmemente e honestamente.

‘Eu também,’ disse Sylvie com ferocidade em minha mente.

“Como uma Lança de Elenoir, você jura ficar entre mim, e por extensão toda Elenoir, e nossos inimigos, não importa sua força ou origem?”

“Eu juro”, respondi novamente.

A voz rouca de Virion estava embargada de emoção contida. “Você se submeterá em sangue e corpo à minha causa?”

“Eu me submeto.”

“Assim são ditas essas palavras”—Virion sacou uma faca e arranhou a borda de sua palma—“e assim elas são vinculadas em sangue.” Conforme ele pronunciava a palavra, seu sangue começou a pingar de sua mão, batendo no metal negro com pequenos respingos.

Ele estendeu a faca, que eu peguei. Tentei imaginar como me sentiria neste momento, se realmente tivesse acontecido. Não está realmente acontecendo? O pensamento voltou a mim tão imediatamente, tão inesperadamente, que tive que parar e pensar sobre isso, me lembrando de que estava na pedra-chave e trabalhando para uma solução para o julgamento e uma visão do próprio Destino.

“Vai em frente, Art,” disse Virion, com tom amável. “Eu confio em você.”

De pé, firmei o maxilar e me cortei como Virion tinha feito. “Assim são ditas essas palavras, e assim elas são vinculadas em sangue.” Sylvie ecoou as palavras em meus pensamentos, exceto que as dela estavam dirigidas a mim em vez de Virion.

Quando meu sangue se uniu ao de Virion, a superfície da moeda oval ondulou, e o sangue foi absorvido por ela. A moeda pulsou com uma tremenda flutuação de mana, e então começou a cair. Eu a peguei antes que caísse mais do que alguns centímetros e a inspecionei intensamente.

O artefato era pesado, liso e quente ao toque. Sob o brilho negro, agora havia um toque de vermelho profundo. Havia uma espécie estranha de ressonância entre a mana dentro da moeda e minha própria mana purificada, como se estivessem se chamando. Eu ansiava por liberar a mana.

Virion sorriu para mim, seus olhos brilhando de orgulho. “Eu te nomeio Godspell, Lança de Elenoir. Bem-vindo, Lança Godspell, ao seu serviço.”

A Lança Aya deu um passo à frente, sua expressão indecifrável. “Você vai querer um lugar tranquilo e... longe dos outros para este próximo passo.”

Virion fez um som de zumbido baixo com o nariz. “Leva tempo, mas você deve dedicar os próximos dias ao processo. Depois disso, pode abordá-lo à sua vontade, embora, pelo que vi no passado, a maioria das Lanças acha difícil parar uma vez que o processo tenha começado.”

Lorde Aldir falou pela primeira vez. “Espero que vocês dois saibam o que estão fazendo. Não posso deixar de me perguntar se não teria sido melhor para Arthur alcançar o núcleo branco por conta própria.”

“Não temos tempo para isso”, interferiu Alduin.

Pude perceber pela expressão de Virion que ele estava dividido. “Veremos.”

Com a boca seca, fiz uma reverência profunda para Virion, depois reverências menos profundas para os Lordes Alduin e Aldir, depois Sylvie e eu seguimos Aya para uma câmara que mais parecia um bosque do que um cômodo enterrado nas entranhas de um castelo voador. “Boa sorte”, ela disse com um piscar de olhos antes de se afastar pelo corredor com um andar sensual.

‘Ah, isso é emocionante’, disse Sylvie, serpenteando pela câmara e cheirando as plantas. ‘Você vai se tornar um mago de núcleo branco. Quanto tempo você acha que vai demorar?’

“Vamos descobrir”, disse em voz alta, sentando-me, cruzando as pernas e segurando a moeda oval na minha frente.


* * *


Todos no salão prenderam a respiração quando eu apareci, esperando silenciosamente que eu falasse.

Fiquei de pé sem dizer uma palavra e examinei a galeria ao ar livre do alto do palco. Cada pessoa presente parecia hipnotizada, mas eu mal podia culpá-las. Banhado pela luz e posando dramaticamente ao lado dos dois blocos de gelo, sabia que eu parecia até que uma figura heroica mesmo.

Meus longos cabelos castanhos-avermelhados estavam amarrados frouxamente em um nó, e eu estava vestido com uma túnica de seda folgada no estilo élfico. Completando meu conjunto refinado estava um rico casaco de pele, branco como a neve, pendurado sobre um ombro.

Parecia que foi ontem que eu tinha ficado diante de toda Dicathen vestido com uma armadura extravagante que havia deslumbrado as pessoas. Agora, de pé na coluna de luz em meu traje elegante, sabia que eu era mais do que apenas deslumbrante; eu irradiava uma estranheza que combinava até mesmo com um asura como o Lorde Aldir.

Avaliando bem meu tempo, virei minha cabeça primeiro para a esquerda, olhando profundamente para o retentor Vritra envolto em gelo, e depois para a direita, repetindo a ação em direção ao segundo retentor.

A galeria, já quieta, ficou em um profundo silêncio enquanto eu me virava para encarar os presentes. Mantendo minha voz baixa e firme, comecei meu discurso preparado. “Expor os corpos de nossos inimigos como se fossem troféus simples ou lembranças para as massas olharem é algo que desaprovo profundamente, mas aqueles de vocês que estão presentes neste evento esta noite não são simples plebeus. Cada nobre aqui sabe que os trabalhadores, civis e habitantes de suas terras estão esperando impacientemente por notícias sobre essa guerra. Até agora, suposições vagas e teorias infundadas eram as únicas coisas que vocês podiam dar a eles.”

Eu fiz uma pausa, deixando a multidão quieta enquanto esperavam que eu falasse novamente. “Nascido de uma origem humilde, consegui chegar onde estou agora graças à minha família—bem como aos amigos que conheci ao longo do caminho. Agora sou uma Lança, e o mais jovem de todos, mas não sou o mais forte.” Sorri calorosamente para esconder a mentira que contei. Na verdade, eu era o mais forte por uma margem significativa, mas a narrativa exigia uma visão alternativa dos eventos. “As Lanças lá fora, algumas das quais estão lutando batalhas enquanto falamos, estão muito acima de mim em poder, e ainda assim eu fui capaz de derrotar não um, mas dois retentores, os chamados ‘poderes mais altos’ do exército Alacryano.”

Fiz outra pausa, deixando os murmúrios animados se espalharem pela multidão. “Como podem ver, não sofri ferimentos em minha batalha com essas forças supostamente poderosas e estou saudável o suficiente para tagarelar assim diante de uma multidão de nobres.” Ampliei meu sorriso enquanto meus comentários arrancavam risadas da plateia.

Colocando uma mão no túmulo de gelo que segurava o corpo do retentor, Uto, mudei cuidadosamente meu olhar para onde o Conselho estava sentado. “Este não é apenas meu presente para o Conselho, que me concedeu este papel, mas também um presente que espero que todos vocês possam levar para casa e compartilhar com seu povo—figurativamente, é claro.”

Aplausos e risadas irromperam enquanto eu me curvava, sinalizando o fim do discurso. Os artefatos iluminadores se acenderam novamente enquanto eu descia alegremente do palco, e Virion ocupava meu lugar. As pessoas batiam em meu ombro ou em minhas costas enquanto eu passava por elas, gritando por mim ou tentando me fazer parar e falar com elas.

Quando Virion falou, no entanto, os olhos da multidão se voltaram para ele, e o burburinho diminuiu um pouco. “O Conselho agradece à Lança Godspell por este presente. Ele mudou sozinho o curso desta guerra, provando sem dúvida que as forças de Alacrya não são indestrutíveis, como nosso inimigo tentou convencer vocês.” Virion fez uma pausa enquanto a multidão aplaudia em resposta. “Já nossos aliados anões estão ajudando nossas maiores mentes na engenharia reversa da tecnologia de teletransporte usada pelos Alacryanos para chegar às nossas costas, e em breve vamos atacá-los!”

A multidão rugiu ainda mais alto, os nobres esquecendo momentaneamente de si mesmos enquanto se envolviam no discurso de Virion. Logo, um coro de ‘Lança Godspell, Lança Godspell’ ressoou pela galeria.

No meio da multidão, avistei um par particular de belos olhos azul-verde, brilhando de alegria, e não pude deixar de sorrir em resposta.


* * *


Sinos prateados enchiam Zestier com o doce som de seu tilintar, se misturando ao canto dos pássaros e ao sussurro de uma brisa leve através dos galhos. Rosas brilhantes, peônias, lírios e jacintos espalhavam vermelhos, laranjas, rosas e azuis através da multidão reunida de ambos os lados da rua e perfumavam o ar com um buquê de aromas doces. Crianças élficas jogavam confetes de pétalas na rua à nossa frente, transformando os ladrilhos em uma estrada mística de cores.

Ao meu lado, Tessia riu enquanto observava uma garotinha, com não mais do que três ou quatro anos, derrubar uma cesta cheia de pétalas de rosa, espalhando-as em um monte, e então, apressadamente, mover as mãos gordinhas pelas pétalas para espalhá-las enquanto olhava ao redor para ver se alguém via. Tessia se abaixou e afagou levemente a cabeça da garota com a mão enquanto passávamos por ela.

Ela se virou para me olhar, e senti-me escapando para aqueles olhos azul-verde, que brilhavam turquesa ao sol. “Eu te amo, Rei Arthur”, ela disse suavemente, meu nome quase um sussurro em seus lábios.

“E eu te amo, Rainha Tessia”, respondi. Mais do que qualquer coisa, ansiava por me inclinar e beijar seus lábios pintados, mas me segurei, submetendo-me ao decoro do dia. Na verdade, preferiria ter dispensado completamente a cerimônia e a pompa e passado o dia apenas nós dois, protegidos das necessidades do mundo exterior.

Eu admirava minha rainha, que estava envolta em um vestido de noiva ajustado de renda branca, o longo véu que arrastava pelas flores tecido com vinhas de esmeralda e ouro que coletavam as pétalas enquanto nos movíamos. Seus cabelos prateados como metal caíam em ondas por suas costas, presos com flores douradas incrustadas com gemas de safira e esmeralda, e seu rosto havia sido levemente pintado, adicionando sombra aos seus olhos e um rubor brilhante às suas bochechas.

Mas enquanto a olhava e fantasiava sobre uma vida fora dos olhos do público, também considerava meu novo papel como rei. Recém-coroado, meu primeiro ato como o novo governante de toda Dicathen foi exatamente este casamento, como acordado por sua mãe, pai e avô. O nosso era uma união que alinhava mais completamente as raças humana e élfica, mas para mim, era a culminação de duas vidas vividas. Renascer em Dicathen tinha sido uma chance para eu descobrir quem eu realmente era, para ter uma família que me amasse, mas também para buscar o tipo de amor apoiador e romântico que nunca tinha experimentado como Grey na Terra.

Serei o rei aqui que nunca poderia ser como Grey, pensei, passando os dedos pelo braço de Tessia, entrelaçado no meu. E será por sua causa.

Tranquei essas palavras na minha mente, prometendo a mim mesmo dizer-lhe depois, na segurança e confinamento dos nossos próprios aposentos no palácio dos Eraliths em Zestier. O castelo voador se tornaria nossa casa permanente, mas eu havia concordado em passar dois dias inteiros no local de nascimento de Tessia como sinal de apoio e boa vontade à sua família e ao seu povo; mesmo que eu tivesse sido uma Lança de Elenoir e estivesse casando com a princesa deles, ainda era um choque para o povo élfico se curvar diante de um rei humano.

Forçei meu olhar para longe de minha esposa. Enquanto sorria e acenava para as fileiras e mais fileiras de espectadores, não vi nenhuma das tensões que eu sabia que estavam fervilhando sob a superfície. Em vez disso, essas pessoas me receberam com alegres aplausos e lançaram flores. Dia após dia, minha hesitação em aceitar a realeza desaparecia. Treinei para isso ao longo de duas vidas, lembrei a mim mesmo.

‘Não há ninguém mais adequado para o papel em nenhum dos três países que agora você governa’, Sylvie pensou de onde ela caminhava atrás de mim, e percebi que devo ter deixado meus pensamentos escaparem pela nossa conexão.

Obrigado, Sylv. Se o que você diz é verdade, é apenas porque eu tenho você na minha vida. Eu me esforcei para manter oculta minha preocupação por ela. Meu vínculo, que era como uma filha para mim e Tessia, estava infectada com a magia venenosa de seu pai. Nem mesmo tinha lhe dito que ele poderia tomar posse de seu corpo e falar através dela ainda.

Nossa procissão continuou pela cidade de Zestier e terminou em uma sacada elevada alta nos galhos de uma das grandes árvores. Milhares de espectadores se reuniram em plataformas espalhadas ao nosso redor. Tessia e eu estávamos lado a lado, cercados pelos pais dela e pelos meus, Virion, a Lança Aya e todo o séquito além.

Feyrith Ivsaar III deu um passo à frente do séquito, pegando a metade do manto de pele que pendia sobre meu ombro. Acenei para ele e sorri, pensando como a vida poderia ser engraçada e estranha que meu antigo rival se tornara um amigo tão próximo e conselheiro.

Dando um passo à frente, projetei minha voz com mana para que pudesse carregar facilmente para as plataformas dispersas crescidas nos galhos das árvores enormes. Com um sorriso fácil e um barítono rico de confiança calorosa, me dirigi aos meus súditos como um homem casado pela primeira vez.


* * *


Acordei com um puxão agudo de dor no meu esterno. A lua derramava luz prateada pela janela e pelo chão, mas deixava a maior parte do nosso quarto na escuridão total. Meus dedos pressionaram meu esterno, e eu acordei sobressaltado quando senti umidade.

Movendo minha mão, tentei conjurar uma chama para enxergar. O quarto permaneceu na escuridão.

Ofegando de dor e de repentina e horrível realização, alcancei desesperadamente minha magia.

Não houve resposta.

Meu corpo espasmou ao mesmo tempo em que a lanterna ao lado de nossa cama florescia com luz laranja. Tessia estava dormindo ao meu lado, seus cabelos uma bagunça em torno do rosto, seus membros desalinhados, metade dentro e metade fora do cobertor. Seus lábios se curvavam em um sorriso secreto enquanto ela sonhava com algo agradável.

Além dela, ao lado da cama, um homem mexia com o artefato de iluminação, diminuindo um pouco o brilho. Não havia como confundir sua pele cinza-mármore, olhos vermelhos e os chifres de ônix que se curvavam pelas laterais de sua cabeça, seguindo a linha da mandíbula.

Sylvie, para mim!

Não senti nenhuma resposta ao meu chamado assustado, o que só aumentou meu medo e desorientação.

O Vritra—o mesmo que havia matado Sylvia todos aqueles anos atrás—levantou um dedo para os lábios. O gesto parecia estranho e fora de caráter, como algo de um sonho. “Não grite por seus guardas, meu rei”, disse ele, sua voz fria e dura. “Meu fogo da alma queima dentro de você, e eu destruí o seu núcleo. Embora você ainda respire, na realidade, já está morto.”

Abri a boca para gritar, mas a dor tomou conta do meu corpo, apertando minha garganta e fazendo meus membros espasmarem. Ao meu lado, uma careta preocupada se formou no rosto de minha esposa, e ela se virou inquieta.

“Você é vítima do seu próprio sucesso, Rei Arthur”, continuou o Vritra. “Se você tivesse sido menos bem-sucedido—menos poderoso, menos ameaçador—talvez o Alto-Soberano tentasse negociar com você.” Ele fez um pequeno balanço de cabeça, e uma expressão que era quase, mas não completamente, um sorriso cruzou seu rosto. “Vou ser honesto, eu gostaria de ver do que você era capaz, mas o Alto-Soberano achou que um simples assassinato seria melhor.”

Através da dor, busquei Sylvie novamente, mas não conseguia sentir sua mente. Eu não sabia se ela sequer conseguia ouvir meus pensamentos.

“Ainda assim, você cumpriu seu propósito”, refletiu o Vritra. “O caminho está pavimentado para o Legado.” Sua mão se estendeu em direção a Tessia, e me vi impotente para impedi-lo quando ele descansou os dedos estendidos em seu pescoço. Chamas negras e espectrais envolveram sua mão por um momento que pareceu uma eternidade, depois fluíram para dentro dela como fumaça através de seus poros.

Os belos olhos de minha esposa se abriram de repente, sua boca se abrindo em agonia, mas apenas um breve soluço engasgado escapou. Lágrimas escorreram de seus olhos antes de rolarem para trás na cabeça dela, e ela desabou.

“N-Não...” gemi, estendendo um braço trêmulo em sua direção. O mundo ficou branco, depois negro, e então o cinza voltou lentamente. A cama ao meu lado estava vazia, e eu não conseguia mais ver o Vritra, mas não conseguia virar a cabeça para procurar pelo quarto. Vagamente, eu tinha consciência de que agora estava deitado em uma poça úmida, os lençóis finos de meu colchão real grudando na minha pele.

“Não se preocupe, garoto.” A voz do Vritra vinha de algum lugar além das bordas da vista. “Sua rainha vive, e continuará a viver, de certa forma. Dizem que ela se tornará uma das pessoas mais importantes do mundo.”

Fechei os olhos, soltei um suspiro trêmulo e falhei em inspirar outro. Sozinho em uma cama cheia de sangue, senti o fogo da alma queimar até o último de minha força vital, e tudo ficou escuro.

E então, dentro do escuro, um fraco lampejo de luz distante.

A luz se aproximou, ficou mais brilhante, e então se transformou em um brilho forte, forçando-me a fechar os olhos. Sons indiscerníveis assaltaram meus ouvidos. Quando tentei falar, as palavras saíram como um grito.

“Parabéns, senhor e senhora, é um menino saudável.”

Meus olhos lutaram para abrir, e eu chorei. Uivei com o desespero de acordar e perceber que a vida que eu havia vivido era um sonho. Um sonho lindo, maravilhoso, horrível.

Lamentando essa versão de mim mesmo, do amor que me foi permitido compartilhar, mas que eu me neguei em minha vida real, só pude implorar à pedra-chave. Chega, implorei. Eu não quero continuar fazendo isso. Por favor. Isso é o suficiente. Me deixe ir.


Capítulo 475

O Começo Depois do Fim

04/14/2024

Mode Scanlator Logo
All rights deserved. Website coded by Heaning.